November 13, 2018

September 26, 2018

September 11, 2018

August 5, 2018

Please reload

Artigos Recentes

Editoras estrangeiras às compras na Feira do Livro de Lisboa

Saturday, June 17, 2017

Seis empresas espanholas, francesas e italianas integram a missão invertida da AICEP dirigida ao sector livreiro, cujo negócio, excluindo o segmento escolar, vale 142 milhões de euros e está em quebra desde 2011. 

Os representantes de seis editoras estrangeiras vêm esta semana a Portugal integradas numa missão organizada pela AICEP para "potenciar a tradução de obras portuguesas e contribuir para o aumento da visibilidade internacional de novos autores nacionais".

Depois da primeira edição, realizada no ano passado com sete empresas do Reino Unido, o instituto público que promove o comércio externo e a internacionalização vai repetir iniciativa com potenciais compradores de Espanha, França e Itália, entre 7 e 9 de Junho, aproveitando a realização da Feira do Livro de Lisboa, no Parque Eduardo VII.

Editora Regional de Extremadura e Editora PRE-Textos (Espanha); Actes Sud, Editions Gallimard e Flammarion (França) e Edizioni dell’Urogallo (Itália) são as convidadas pela AICEP para conhecer mais de perto um sector que em 2016 facturou 142 milhões de euros, menos 5% face ao período homólogo. Segundo a GfK, que monitoriza 80% do mercado (exclui o segmento escolar), no último ano foram transaccionados 12 milhões de livros em Portugal.

Alargando a análise à designada fileira das indústrias culturais e criativas, cujo volume de negócios ascende a 4.500 milhões de euros e as exportações a 400 milhões de euros, a AICEP, que em Abril passou a ser liderada por Luís Castro Henriques, assinala "um potencial de crescimento que justifica" este tipo de iniciativas para reforçar a tradução de obras de autores portugueses e aumentar a visibilidade do sector editorial e livreiro, dominado pela Porto Editora e pela Leya, cujo negócio global está a decrescer desde 2011.

Além da visita à Feira do Livro de Lisboa, onde até 18 de Junho estarão representadas 602 editoras e chancelas – a organização espera atingir o meio milhão de visitantes –, os representantes das editoras espanholas, francesas e italiana também têm agendados encontros institucionais com a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), a Direcção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, a Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) e o Instituto Camões. 

Jornal de Negócios 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Follow Us